Dia do Oficial de Justiça

“O oficial é a justiça saindo do seu habitat encastelado e batendo à porta do cidadão”

Confira o emocionante relato de Mariana Pinheiro. Para ela, ser oficiala é tentar penhorar bens em um casebre paupérrimo, onde existe apenas uma cama para toda uma família

25/03/2019

Falar sobre o Oficial de Justiça é encher a alma de contentamento ao perceber que as lições primordiais do Direito se concretizam aos nossos olhos.

Mais que “longa manus” do juiz e operador do Direito, o Oficial de Justiça atua na concretização efetiva da justiça e, consequentemente, da paz social, promovendo a conciliação e possível fim dos litígios. É a justiça saindo do seu habitat encastelado e batendo à porta do cidadão.

O verdadeiro sentido do labor de um Oficial de Justiça vai para muito além da realização pragmática dos atos de comunicação processual; essa percepção vem ao enxergar, sob o prisma da sensibilidade e do afeto, o real alcance dos atos de cumprimento das ordens judiciais, que reverberam em nós como agentes que nos transformam e nos inspiram.

É muitas vezes dizer “não” quando internamente queria dizer “sim”, é ser abraço confortante, é ser palavra de otimismo que acalenta a angústia ou que esclarece a letra da lei e vislumbra o fim irremediável do processo.

É tentar penhorar bens em um casebre paupérrimo, onde existe apenas uma cama para toda uma família;

“Ser Oficial de Justiça é tentar localizar um endereço, quando a casa está situada numa viela com esgoto à céu aberto, com acesso por calçada improvisada”

É tentar localizar um endereço, quando a casa está situada numa viela com esgoto à céu aberto, com acesso por calçada improvisada;

É se comover ao intimar uma viúva como inventariante, após a morte de seu companheiro de toda uma vida e, após um ano, retornar à casa e ela ainda usar vestes pretas, em luto;

É atestar a vulnerabilidade social e afetiva de uma mãe, que não recebe qualquer ajuda financeira do genitor das crianças e ele se esconder indefinidamente para não pagar absolutamente nada;

É notar hematomas evidentes numa mulher, vítima de violência doméstica, quando há, na verdade, cicatrizes bem mais profundas inscritas em si;

É ver o cuidado próximo e amoroso de filhos para com seus genitores em idade avançada, acometidos por doença demencial, em que eles assumem agora o papel de “pais” e “mães” de seus pais, se fazendo urgente a condução de sua vida por meio da interdição;

É retornar a um endereço e ouvir uma mãe anunciar que o intimando falecera como mais uma vítima da violência urbana que nos assola.

É afastar a “pseudo” fragilidade e exposição femininas e encarar dignamente situações adversas, ambientes hostis, nos quais um demandado quer se impor pela “pseud” força própria masculina.

É ver uma família, ansiosa por notícias nos corredores do Fórum, acompanhando a internação de seu ente querido num leito de UTI, quando naquele calhamaço de papeis com o mandado judicial carregamos, na verdade, lágrimas, esperança e fé.

É cumprir um alvará de soltura e o acusado se ajoelhar, e se desculpar com o Oficial de Justiça pelo cometimento daquele ato ilícito, quando ele gostaria que aquele pedido fosse anunciado para toda a sociedade.

É conhecer realidades duras, famílias desamparadas e alheias à rede de proteção social onde deveriam estar. É quando nossa humanidade é posta à prova, já que nosso trabalho é tratar com gente, e gente de diferentes psiquês, moradias, cores, passados, futuros, oportunidades, sonhos…

É ser o equilíbrio de duas forças: voz ativa no cumprimento da ordem judicial e lucidez para analisar as nuances de cada situação que se apresenta, e moldá-las conforme valores éticos e solidários.

É enfrentar desafios sob sol a pino ou chuva forte, com nossos veículos particulares, caneta e papel na mão, em estradas vicinais desertas, bairros abastados ou aonde os serviços mais essenciais sequer chegam, mas, sobretudo, com a nobre missão de bem servir.

*Por Mariana Pinheiro, oficiala de Justiça da Ceman de Fortaleza

HomenagemOficial de JustiçaSindojusSindojus CearáDia do Oficial de Justiçao que faz um Oficial de Justiçaser Oficial de JustiçaMariana Pinheiro

Deixe seu Comentário

Você deve estar logado para fazer um comentário. Clique aqui para entrar.