Nota de pesar

Morre, aos 58 anos, o Oficial de Justiça Geraldo Leite Pereira, por complicações da Covid-19

Ele é o terceiro Oficial de Justiça da ativa morto pela doença no Ceará. Com o falecimento de Veriga, como era conhecido, o único lotado em Acopiara, a comarca fica sem Oficial de Justiça

12/06/2021
Fotos: Arquivo pessoal

Oficiais de Justiça do Ceará estão de luto. Faleceu, na noite de ontem, Geraldo Leite Pereira, conhecido como Veriga, da comarca de Acopiara – região Centro Sul do Estado. Ele é o terceiro Oficial de Justiça da ativa morto pela Covid-19 no Ceará. Após alguns dias sentindo sintomas, o servidor do Poder Judiciário teve a confirmação de que estava contaminado com a doença do novo coronavírus no dia 26 de maio. Em respeito às medidas sanitárias, não foi realizado velório. Da Funerária Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, o corpo seguiu em cortejo pela Igreja de São Francisco, onde foi realizada uma missa aberta, depois pela casa em que residia, no bairro São Francisco, até o Cemitério Municipal de Acopiara, onde foi sepultado no início da tarde de hoje. Todo o rito de despedida foi transmitido ao vivo pelo Facebook. Ele deixa a esposa e três filhos, de 27, 25 e 13 anos.

Registro do corpo chegando, em cortejo, ao Cemitério Municipal de Acopiara. Foto: Reprodução

Vanuzia Gonçalves de Araújo, esposa de Veriga, conta que a doença veio muito forte e que o quadro clínico dele piorou rapidamente. Emocionada, ela conta que o marido era uma pessoa alegre e divertida. “Era a pessoa melhor do mundo, feliz, perdi a metade da minha vida”, disse sem conseguir conter o choro.

“Todas as qualidades que você imaginar ele tinha, era uma pessoa feliz, alegre e querida por todos”, comentou o filho Igor Bandeira Pereira Leite. Ele acrescenta que Veriga era querido em todo o Brasil por causa das vaquejadas. Com relação à profissão, ressaltou que ele gostava e era muito cobrado. “Trabalhava de domingo a domingo como Oficial de Justiça. Não parou nem mesmo na época do lockdown, trabalhava direto. Ele amava a profissão dele, amava tudo o que fazia”, afirmou.

Além de Oficial de Justiça, profissão que exerceu durante 31 anos e da qual muito se orgulhava, Veriga era conhecido também no meio das vaquejadas, onde atuava como locutor. Ao tomarem conhecimento de seu falecimento, vários cantores e pessoas ligadas ao meio prestaram homenagem, entre eles, Luizinho de Irauçuba. “Covid-19: morre Veriga, o maior locutor de vaquejadas do Ceará”, enalteceu o portal LR Notícias.

Repercussão

Entre os Oficiais de Justiça do Ceará, a notícia da morte de mais um colega, o terceiro do Estado, gerou questionamentos a respeito da não inclusão da categoria nos grupos prioritários de vacinação contra a Covid-19, além da cobrança indevida e reiterada, por parte dos magistrados, do cumprimento de mandados não urgentes, expondo ainda mais a categoria a esse vírus invisível e cruel.

Alex de Paula Ledo, coordenador da regional Centro Sul, deixa o seu repúdio ao que estava acontecendo na comarca de Acopiara. “O Veriga estava sobrecarregado. Presenciei as sucessivas cobranças de mandados não urgentes durante a pandemia, com devolução em 48 horas, cinco dias, para que o colega fosse cumprir esses mandados de forma presencial, sem nenhuma justificativa, sob ameaça de responder a Processo Administrativo Disciplinar (PAD) e até mesmo por crime de desobediência. Essas cobranças eram quase que diárias, fazendo com que ele se expusesse a um risco desnecessário. Deixo o meu repúdio à falta de sensibilidade por parte do Tribunal de Justiça. É algo que beira o absurdo”, denunciou.

O Oficial de Justiça é a única categoria do Poder Judiciário que continuou trabalhando de forma presencial durante toda a pandemia, em contato direto com a população, percorrendo, inclusive, locais insalubres, a exemplo de hospitais e unidades penitenciárias. Responsáveis por dar efetividade às decisões judiciais, oficiais e oficialas têm, no exercício da função, contato com topo tipo de gente, sendo recebidos, quase sempre, por pessoas sem máscaras, pondo as suas vidas em risco, além de se tornarem potenciais vetores da doença, colocando em risco também o jurisdicionado.

“Quantas vidas poderiam estar sendo preservadas com a priorização na vacinação da categoria?”, indagou um oficial. “Infelizmente, a vacina não chegou a tempo para o nosso colega Veriga”, disse uma oficiala. Outra servidora destaca que “a nossa situação é conviver com esse medo”.

Legado

Em nome da categoria, Vagner Venâncio, presidente do Sindicato dos Oficiais de Justiça do Ceará (Sindojus-CE), lamenta profundamente tão irreparável perda e diz que a morte de Veriga deixa um vazio enorme. “A comarca de Acopiara fica sem Oficial de Justiça, fica sem o profissional que deixa um legado muito grande de respeito, profissionalismo e competência. Um colega com 31 anos de trabalho, que exerceu o labor com muito zelo e dedicação. Descanse em paz. É uma perda muito grande. Rogamos a Deus que conforte a família do Veriga, sua esposa e seus filhos, e todos os amigos que por ele tinham muita admiração”, frisou.

Com o falecimento de Geraldo Leite, o único lotado em Acopiara, a comarca fica sem Oficial de Justiça, tornando-se, portanto, a quarta do Estado sem este servidor, imprescindível para o andamento das demandas judiciais. Iracema, Jaguaretama e São Benedito são as outras comarcas que estão sem Oficiais de Justiça.

Contabilizando perdas

Além de Geraldo Leite Pereira, o Ceará registrou outras duas mortes de Oficiais de Justiça pela Covid-19: Marcos Uchoa de Freitas, 53 anos, da comarca de Caridade, em agosto do ano passado; e José Afonso Soares, 52 anos, lotado na comarca de Maranguape, em fevereiro deste ano. Levantamento feito pelo Sindojus aponta que, em todo o Estado, já são 114 oficiais e oficialas de Justiça contaminados – o equivalente a 17% da categoria.

LutoperdaOficial de JustiçaSindojusSindojus Cearánota de pesarCovid-19morteGeraldo Leite PereiraAcopiaralocutorvaquejada
SIGA-NOS:

Deixe seu Comentário

Você deve estar logado para fazer um comentário. Clique aqui para entrar.