Campanha salarial 2019

Governo adia pela 6ª vez reunião para discutir reajuste dos servidores estaduais

A rodada de negociação que estava prevista para ocorrer hoje, no Palácio da Abolição, foi adiada para a próxima terça-feira, 4 de junho, quando haverá um ato em defesa da reposição das perdas salariais

30/05/2019
Só no governo de Camilo Santana o acumulado de perdas salariais já soma 20,64%

O governo do estado adiou pela 6ª vez reunião para discussão da Campanha Salarial Unificada 2019 dos servidores públicos estaduais. O encontro, que estava marcado para ocorrer hoje, no Palácio da Abolição, foi adiado para a próxima terça-feira, 4 de junho. O Fórum Unificado das Associações e Sindicatos dos Servidores Públicos Estaduais do Ceará (Fuaspec) já protocolou vários pedidos solicitando o encontro, no entanto, o governo vem protelando, sem apresentar um motivo plausível.

A primeira reunião estava marcada para o dia 11 de março, depois para 29 de março, 16 de abril, 25 de abril, 23 de maio, 30 de maio e, por último, foi adiada para 4 de junho, no Palácio da Abolição. Na ocasião, o Fórum Unificado está chamando um ato em defesa da reposição das perdas salariais, às 9h.

De acordo com a Lei nº 14.867/2011, a data base dos servidores públicos estaduais é no dia 1º de janeiro, entretanto, o governo ainda não anunciou o percentual de correção/reajuste. Só no governo de Camilo Santana (de 2015 a 2018) o acumulado de perdas salariais já soma 20,64%. Dessa forma, a expectativa é de que seja resposta pelo menos a inflação do ano passado, de 3,75%.

Arrocho

No dia 5 de abril, o Fórum Unificado chegou a publicar nota nos jornais O Povo e Diário do Nordeste denunciando que, mesmo com superávit orçamentário de R$ 1,48 bilhão nos meses de janeiro e fevereiro deste ano, o governo impõe arrocho salarial aos seus servidores. Para agravar a situação, em dezembro de 2016 o governador se antecipou ao governo federal e aumentou a contribuição previdenciária de 11% para 14%.

Sem reposição salarial, a inflação reduz drasticamente o poder de compra de itens fundamentais. Em Fortaleza, os servidores municipais já obtiveram sua reposição salarial em 1º de janeiro.

Bandeira

“Nós não estamos pedindo reajuste salarial, mas a correção para repor o nosso poder de compra corroído pela inflação dos anos anteriores, então, neste momento, uma das nossas bandeiras de luta é cobrar do governo do estado que pague a reposição inflacionária dos servidores”, destaca o presidente do Sindicato dos Oficiais de Justiça do Ceará (Sindojus-CE), Vagner Venâncio.

Camilo Santanareposição inflacionáriaCearáSindojusSindojus Cearáperdas salariaisgoverno do Estadoreajuste salarialcorreção inflacionáriaservidores estaduaisnegociaçãoarrocho salarialCampanha salarial unificada 2019

Deixe seu Comentário

Você deve estar logado para fazer um comentário. Clique aqui para entrar.