Câmara Municipal

Sindojus participa de audiência pública sobre Reforma da Previdência

Para o próximo dia 28 de abril, as centrais sindicais de todo o país estão organizando uma paralisação geral contra as reformas da Previdência e Trabalhista

03/04/2017
Fotos: Milton Figueiredo

Quais implicações a Reforma da Previdência traz para a vida do trabalhador brasileiro? Quais outras reformas e tentativas de retrocessos trabalhistas estão em andamento no legislativo, de autoria do governo federal? Para discutir essas temáticas foi realizada, na última sexta-feira (31), audiência pública na Câmara Municipal de Fortaleza. Luciano Júnior, Carlos Eduardo Mello e Edivaldo Júnior foram os representantes do Sindicato dos Oficiais de Justiça do Ceará (Sindojus-CE).

Iraguassú Teixeira Filho, Oficial de Justiça e vereador autor do requerimento do debate iniciou sua fala destacando que, em 1964, exatamente no dia 31 de março, começava um golpe militar no país com a deposição do presidente eleito, João Goulart. Cinquenta e três anos depois, o país sofre outro grande golpe contra o trabalhador, com a sanção da proposta de terceirização – que fragiliza o direito dos trabalhadores e enfraquece o serviço público, com a autorização da atividade fim –, e o andamento das reformas da Previdência e Trabalhista, nos moldes que estão sendo propostos.

Razoabilidade

Iraguassú destaca que de forma propositada o governo coloca a reforma da Previdência na linha de frente, com situações que extrapolam a razoabilidade de qualquer reforma que poderia ser feita no país, enquanto a reforma Trabalhista avança em grande velocidade.

“Só com essa situação dos 49 anos de contribuição a gente vê o tamanho da maldade do governo. Quando iguala os desiguais, rasgando o princípio da equidade, é outra maldade”, pontua. O parlamentar adverte que, se a Reforma da Previdência vier a ser aprovada, vai acontecer o inverso: muita gente vai sair da condição de contribuinte.

Justiça do Trabalho

Rechaçou ainda a declaração do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, de que a Justiça do Trabalho não deveria existir. “É a Justiça do Trabalho que garante o direito do trabalhador. E mais, é um dos maiores arrecadadores da Previdência Social. Querem realmente rasgar toda e qualquer garantia que o trabalhador possa ter”, diz.

Observando que o país vive tempos sombrios no executivo, no legislativo e no judiciário, o presidente do Sindojus, Luciano Júnior, conclama a todos para irem às ruas somar forças com os sindicatos e a sociedade civil organizada com intuito de barrar essas propostas de emendas constitucionais postas pelo governo federal, que atentam contra a dignidade humana.

Paralisação geral

O representante do oficialato informa que no próximo dia 28 de abril as centrais sindicais de todo o país estão organizando uma paralisação geral contra as reformas da Previdência e Trabalhista. “É preciso que a gente se una e que estejamos nas ruas, de forma organizada, contra as esdrúxulas posições postas por esse governo”, enfatiza.

Além do Sindojus, a audiência contou com a participação do deputado federal André Figueredo, vice-presidente Nacional do PDT; do presidente do Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Federal, Helder Costa da Rocha; vereador Dr. Porto, presidente da Comissão de Saúde e Seguridade Social da Câmara Municipal de Fortaleza; da vice-presidente da Comissão Direito Previdenciário e Assistência Social da OAB, Natália de Morais Ramos; e do advogado da Frente Cearense em Defesa da Previdência Social, Alan Bandeira.

audiência públicaretrocessoReforma da PrevidênciaPEC 287Câmara Municipal de FortalezaIraguassú Teixeira FilhoReforma Trabalhistaproposta de terceirizaçãoprecarização do trabalhoparalisação geral28 de abril

Deixe seu Comentário

Você deve estar logado para fazer um comentário. Clique aqui para entrar.