Palácio da Abolição

Sindojus participa de ato em defesa da reposição das perdas salariais

Só no governo de Camilo Santana o acumulado de perdas salariais já soma 20,64%. A manifestação, convocada pelo Fuaspec, foi realizada na manhã de hoje

04/06/2019
Fotos e vídeo: Luana Lima/Sindojus Ceará

O Sindicato dos Oficiais de Justiça do Ceará (Sindojus-CE) se somou às demais entidades de classe e foi às ruas, na manhã de hoje, participar do ato em defesa da reposição das perdas salariais, convocado pelo Fórum Unificado das Associações e Sindicatos dos Servidores do Estado do Ceará (Fuaspec). Todas as ruas do entorno do Palácio da Abolição foram bloqueadas, paralisando o trânsito e impedindo o acesso dos manifestantes. Só no governo de Camilo Santana o acumulado de perdas salariais já soma 20,64%.

Dignidade

Presente ao evento, o deputado Renato Roseno destacou que esse percentual de correção que está sendo reivindicado não é privilégio, mas uma questão de dignidade e que dignidade não se negocia. “O pedido de silenciar diante de reajuste zero é indigno, isso é o aviltamento, isso é esmagamento das condições do trabalho. Não adianta ir para fora do Brasil se ufanar, se auto elogiar dos indicadores sociais, dos indicadores de saúde fiscal se não se valoriza aquele e aquela que mais contribuiu para esses indicadores, que foram os trabalhadores do serviço público”, destacou.

O parlamentar acrescentou, ainda, que se a lógica for de arrocho fiscal, arrocho salarial, de esmagamento da política social não adianta no discurso dizer que é contra a política que está posta no Palácio do Planalto, porque dessa forma vai se aproximar cada vez mais dela. “Isso é uma vergonha para aqueles e aquelas que foram às urnas com outra proposta para o povo cearense”, frisou.

Governador, cadê o reajuste dos servidores? Reposição salarial JÁ!

Camilo SantanaOficial de JustiçaSindojus Cearáperdas salariaisservidores estaduaisatoRenato Rosenoreposição salarial2064Palácio da Abolição

Deixe seu Comentário

Você deve estar logado para fazer um comentário. Clique aqui para entrar.