Déficit

Orçamento do judiciário precisa de acréscimo de R$ 100 milhões

Seriam R$ 60 milhões para verba de pessoal e R$ 40 milhões para verba de custeio. Votação da LOA está prevista para 5 de dezembro, na Assembleia Legislativa

29/11/2016

Fóruns funcionando de forma precária em comarcas do Interior, falta de investimentos para o processo de virtualização do judiciário cearense e quadro deficitário de servidores foram problemas apontados, na tarde de ontem, durante audiência pública realizada no Complexo das Comissões Técnicas da Assembleia Legislativa do Ceará (Alce) para debater o orçamento destinado ao Poder Judiciário.

Representando o oficialato, Mauro Xavier, diretor de Formação Sindical do Sindicato dos Oficiais de Justiça do Ceará (Sindojus-CE), falou do déficit de servidores e das conquistas legalmente adquiridas que vêm sendo descumpridas, a exemplo de duas ascensões funcionais que estão em atraso: de 2014 e 2015. Ele cita que, enquanto na Justiça Federal a média é em torno de 16 servidores por secretaria de vara – todos devidamente concursados e qualificados para a atividade a qual exercem –, na justiça estadual essa média é de, pasmem: três servidores. Só Oficiais de Justiça o déficit é de 151.

“No TJCE, 70% da mão de obra do Interior é de servidores cedidos de prefeituras. Na Capital, onde a gente imagina que a situação estaria melhor, 50% da mão de obra é terceirizada ou cedida. É periclitante a situação do judiciário cearense”, dispara o diretor do Sindojus.

Deficiências

Alex Araújo, secretário de Finanças do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) disse que o TJ possui um problema estrutural de financiamento e que, apesar de ser um dos tribunais com menor orçamento proporcional do Brasil, isso não muda a peça orçamentária apresentada para o próximo ano, com deficiências tanto na parte de pessoal, pela forma como a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) projeta o limite de despesas para o ano seguinte, quanto na parte de custeio.

“O quadro é preocupante, mostra, na área de investimentos, a necessidade de acréscimo de R$ 100 milhões – R$ 60 milhões para verba de pessoal e R$ 40 milhões para verba de custeio”, afirma. Ele destaca que, pelo valor que está sendo discutido na Assembleia, não está previsto nenhum tipo de correção ou reajuste para servidores e magistrados. A parte mais crítica, cita o secretário, é a estrutural, que já vai para o terceiro ano seguido sem aplicação de investimentos.

Araújo explica que a LDO – lei que antecede o orçamento e diz como ele deve ser feito – prevê, para o ano seguinte, o que já foi executado até junho de cada ano, o que é um problema. No caso de pessoal, por exemplo, parte das despesas é concentrada no segundo semestre – como a implantação da isonomia –, e a execução do primeiro semestre é incapaz de prever isso, o que gera, sistematicamente, um orçamento deficitário. Por conta disso, entre 2010 e 2015, foi necessário que o executivo suplementasse R$ 406 milhões ao TJCE.

Para minimizar esse quadro, o duodécimo foi a principal solução apontada pelos presentes à audiência. Entretanto, antes seria necessária uma discussão interna para definir qual o percentual desse duodécimo. Cálculos iniciais da Secretaria de Finanças do tribunal dão conta de 8,5% a 9%. Atualmente, o judiciário recebe menos de 6,5%.

A previsão é de que a Lei Orçamentária Anual (LOA) seja votada no dia 5 de dezembro, na Comissão de Orçamento, Finanças e Tributação (COFT) da Assembleia Legislativa, prazo que pode ser prorrogado até o dia 8. O encaminhamento para a mesa diretora está previsto para o dia 9.

Folga no orçamento

Apesar de ter saído do limite de alerta, o tribunal não sinalizou nada no sentido de pagar as ascensões funcionais em atraso e nem de convocar os aprovados no último concurso público realizado pelo TJCE, para suprir a carência de servidores da Capital e das comarcas do Interior, deficiência que tem contribuído sobremaneira para um judiciário mais lento e, em muitos casos, comprometendo inclusive o funcionamento da máquina. Ao que tudo indica 2017 será mais um ano difícil. Resta saber quem irá pagar a conta dessa suposta crise no judiciário, crise esta seletiva, que afeta somente os servidores.

O Sindojus Ceará continuará vigilante para evitar que direitos sejam violados e seguirá firme na busca de novas conquistas para a categoria.

Além de Mauro Xavier participaram da audiência pública Carlos Eduardo Mello, diretor Financeiro do Sindojus; Fernanda Garcia, diretora Social de Cultura, Esporte e Lazer; José de Mendonça, 1º Secretário; além de Oficiais e Oficialas de Justiça, que fizeram questão de participar desse debate. Em decorrência de uma crise aguda de hérnia de disco, o presidente do Sindojus, Luciano Júnior, não pôde participar do encontro. O Sindicato convoca toda a categoria para participar, no próximo dia 5, da votação da LOA na Alce.

Assembleia Legislativafalta de investimentosaudiência públicaMauro Xavierorçamento do judiciárioorçamento deficitário

Deixe seu Comentário

Você deve estar logado para fazer um comentário. Clique aqui para entrar.