Clipping

Imprensa destaca carência de 77 Oficiais de Justiça no Ceará

Além disso, oito comarcas estão sem Oficiais de Justiça: Aracoiaba, Parambu, Irauçuba, Senador Pompeu, Solonópole, Iracema, Orós e Tamboril

05/09/2017

A Tribuna BandNews FM 101.7 chamou a atenção, mais uma vez, sobre a carência de Oficiais de Justiça. No programa de ontem, a emissora destacou que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) poderá intervir na nomeação de oficiais no Ceará. Em todo o Estado, o déficit é de 77 profissionais. Para agravar a situação, oito comarcas estão sem Oficiais de Justiça: Aracoiaba, Parambu, Irauçuba, Senador Pompeu, Solonópole, Iracema, Orós e Tamboril. Existem 23 cargos vagos a serem preenchidos, sendo 12 do atual concurso e 11 de concursos anteriores. 

Tem ainda várias comarcas com apenas um Oficial de Justiça e outras de grande porte, como Sobral, Juazeiro do Norte, Quixadá e Aracati com quadro totalmente defasado, quando a demanda processual dessas localidades exige uma quantidade bem superior de oficiais. 

“Somos nós que damos efetividade às decisões judiciais, dos juízes de 1º Grau e do Tribunal de Justiça, e o prejuízo maior fica dentro da legalidade de alguns atos judiciais. Uma comarca que não tem Oficial de Justiça, como fica a realização de uma sessão plenária do Tribunal de Júri, por exemplo? Atos judiciais de força, como busca e apreensão de menor, reintegração de posse, como ficam? São casos que exigem a presença de dois oficiais”, salienta o diretor de Comunicação do Sindojus, Vagner Venâncio.

Estudo

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) estabeleceu que o Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) realizasse estudo sobre a carência de oficiais, juntamente com o Sindicato dos Oficiais de Justiça do Ceará (Sindojus-CE). Entretanto, como o levantamento foi feito de forma unilateral pelo tribunal, usando dados corrompidos, acabou sendo invalidado pelo CNJ. Nesse mesmo processo, o Departamento de Pesquisas Judiciais (DPJ) do Conselho Nacional atestou que o estudo realizado pelo TJCE não serve para apontar carências ou superávits de oficiais, uma vez que a Resolução 219, do próprio CNJ, aplica-se somente para a lotação paradigma entre 1º e 2º Graus.

Confira, na integra, a entrevista concedida pelo diretor do Sindojus, Vagner Venâncio, e pelo presidente da Federação Nacional dos Oficiais de Justiça do Brasil (Fenojus), João Batista Fernandes.

Oficiais de JustiçadéficitBandNews FMcarência

Deixe seu Comentário

Você deve estar logado para fazer um comentário. Clique aqui para entrar.